Prefeitura Municipal de Curitiba 156 Acesso à informação
Cultura

Documento histórico sobre o monumento de Tiradentes é doado ao município

Um documento histórico, com a transcrição da ata de inauguração da estátua de Tiradentes, no marco zero da cidade, em 21 de abril de 1927, foi entregue nesta quarta-feira (02) à vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves. Foto: Cido Marques/FCC

Um documento histórico, com a transcrição da ata de inauguração da estátua de Tiradentes, no marco zero da cidade, em 21 de abril de 1927, foi entregue nesta quarta-feira (02) à vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves. A publicação foi doada ao município pelo advogado Airton Ferreira do Amaral, neto de Santiago Colle, na época uma das lideranças da comunidade italiana que presenteou a cidade com a obra do escultor João Turin. A ata é a mesma que teria sido colocada numa cápsula do tempo – a segunda que se tem conhecimento – sob o monumento de Tiradentes.

Além da ata de inauguração, o documento também contém o discurso feito por Santiago Colle na solenidade, na presença do então presidente do Estado, Caetano Munhoz da Rocha, e do prefeito João Moreira Garcez. “Agradeço, em nome do prefeito Gustavo Fruet e de todos os cidadãos curitibanos, a entrega desse tesouro à cidade”, disse Mirian Gonçalves. “Tem sido muito interessante observar esse compromisso da sociedade com a gestão e com o município”, afirmou.

Airton Ferreira do Amaral decidiu pela doação depois das notícias sobre o restauro das obras de Turin e dos objetos encontrados sob o pedestal da estátua de Tiradentes no momento da sua remoção. “Esse documento está com a família há mais de 80 anos. É com muito orgulho que o entrego para a cidade”, disse. Segundo Airton Ferreira, há apenas dois exemplares da mesma publicação. Além dessa que foi doada, há outra que ele manterá com a sua família, para transmitir aos filhos e netos.

O encontro no gabinete da vice-prefeita contou também com a presença do diretor de Patrimônio Histórico da Fundação Cultural de Curitiba, Mauro Tietz, e dos responsáveis pelo acervo do artista, Samuel Lago e Maurício Appel.

Resgate

A doação feita por Airton Ferreira é mais um capítulo da história dos materiais descobertos no momento da remoção da estátua de Tiradentes para restauro, em julho deste ano. Um manuscrito datado de 25 de janeiro de 1932, encontrado dentro de uma garrafa, relata a mudança de posição do monumento e revela existência de uma outra cápsula do tempo, enterrada em outro local da Praça Tiradentes – possivelmente, o local onde a escultura foi instalada pela primeira vez, em 1927.

Segundo as informações relevadas pelo artefato encontrado este ano, a segunda garrafa conteria uma edição do jornal “O Dia”, assinaturas e moedas de cobre e níquel. Na época, o prefeito Gustavo Fruet autorizou a busca pela segunda garrafa, mas após estudos de viabilidade a Prefeitura de Curitiba optou por deixar intacto o local onde foi deixado o artefato.

De acordo com o diretor de Patrimônio da Fundação Cultural, o documento entregue à cidade será preservado pela Casa da Memória. Mauro Tietz explica que não há necessidade de se buscar essa outra cápsula do tempo, pois agora já se tem conhecimento do seu conteúdo. Um fac-símile da edição do jornal “O Dia”, ao qual também é feita uma referência, já foi obtido junto ao acervo da Biblioteca Pública do Paraná.