Ir para o conteúdo
Prefeitura Municipal de Curitiba Acessibilidade Curitiba-Ouve 156 Acesso à informação
Mãe Curitibana Vale a Vida

Programa de cuidados com gestantes e bebês é destaque em congresso internacional

Secretária da Saúde, Beatriz Battistella, durante conferência internacional. Foto: Dary Jr./Feas-SMS

 

A Rede Mãe Curitibana Vale a Vida foi destaque na 1ª Jornada de Experiências Internacionais e Nacionais das Redes Integradas de Saúde, em Lima, no Peru.

Com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o encontro reúne autoridades sanitárias locais que pretendem conhecer modelos de saúde pública de países sul-americanos para implantar seu próprio sistema até 2030.

Em conferência online, a secretária municipal da Saúde, Beatriz Battistella, apresentou o programa como peça importante do atendimento prestado pela rede pública.

Integração

Segundo a secretária, a integração de ações e a continuidade do cuidado, coordenados pelas equipes da atenção primária, são a base do sucesso do programa na redução da mortalidade infantil, por exemplo.

O monitoramento constante de indicadores, como consultas, exames e procedimentos realizados pelas gestantes, também ajuda as equipes do Rede Mãe Curitibana Vale a Vida a conseguirem bons resultados.

“As informações ficam registradas nos prontuários que fazem a comunicação entre os profissionais”, disse a secretária, em conferência acompanhada por centenas de pessoas online e no local do encontro.

O coordenador da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida, Everson Ribeiro de Lima, também participou a apresentação. Segundo ele, a segurança das informações reduz filas de atendimento e classifica melhor os casos para os especialistas.

Gravidez na adolescência

Um dos reflexos disso, além da queda na mortalidade infantil, é a redução na taxa de gravidez na adolescência, que chegou a quase 20% das gestantes no final da década de 90.

A partir das políticas implementadas na cidade, com a convergência de ações na atenção primária, baseada em orientações para os adolescentes, a taxa foi caindo ano a ano.

Em 2021, apenas 6,6% das gestantes da capital paranaense eram adolescentes, melhor índice entre as capitais – no Brasil, a média foi de 13,7% e no Paraná 11,1%, no último ano.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) sensibilizou e capacitou equipes interdisciplinares da atenção básica sobre o acolhimento dos adolescentes e o planejamento reprodutivo.

Protocolos

Os protocolos da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida estratificam o risco das gestantes. Há graduações entre o risco normal e alto, o que garante uma linha de cuidado mais adequada para cada gestação.

Na parte de medicamentos, suplementos vitamínicos e antibióticos são disponibilizados às gestantes. Há exames no protocolo, como teste de hepatite C, TSH, que avalia o funcionamento da tireóide, e Streptococcus agalactiae, que aponta a possibilidade de infecção bacteriana prejudicial ao bebê.

O programa inclui pré-natal odontológico para as gestantes. Uma saúde bucal comprometida pode levar a um trabalho de parto prematuro, com consequências para o bebê.

A Rede Mãe Curitibana Vale a Vida ainda valoriza o envolvimento da família durante o pré-natal, no parto e nos cuidados da criança. O envolvimento consciente e responsável contribui para melhorar laços afetivos.

Premiações

Experiência exitosa e reconhecida nacional e internacionalmente nos cuidados às gestantes e seus bebês, o programa ganhou vários prêmios de gestão pública e boas práticas, como o Américas 2012, do Instituto das Nações Unidas para Formação Profissional e Pesquisa, pela redução da mortalidade infantil.