Registrar
Acesso à Informação
Pesquisar
Qua, 26/11/14
Tempo Hoje
maxima minima
25º
17º
Prefeitura Municipal de Curitiba

Férias de julho

Quem vai ao Exterior deve se vacinar contra o sarampo

03/06/2011 16:17:00
  • Compartilhe

Quem vai viajar para o Exterior em julho e ainda não está imunizado contra o sarampo não deve deixar para tomar a vacina em cima da hora. A dose leva cerca de duas semanas para fazer efeito e, por isso, precisa ser aplicada com essa antecedência mínima.

A vacina está disponível em qualquer unidade básica de saúde, é grátis e faz parte do calendário de vacinação das crianças, dos adolescentes e dos adultos jovens e idosos. A recomendação é importante para quem vai à Europa, onde a Organização Mundial da Saúde tem confirmado casos principalmente na França.

“Acreditamos que boa parte dos viajantes adultos tenham indicação de se vacinar uma vez que a dose não estava disponível na sua infância. Além disso, muitos não se vacinaram nas campanhas que houve em 1998 e 2008”, diz a diretora do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, Karin Luhm.

Entre as crianças, em 2010, o índice de vacinação com a Tríplice Viral (que protege ao mesmo tempo contra sarampo, rubéola e caxumba) foi superior a 95%.

Além das crianças, podem tomar a dose no dia-a-dia das unidades de saúde os homens até 39 anos e as mulheres até 49 anos (consideradas em idade fértil). Para efeito de viagem para área de risco, porém, não vale o critério da idade. “É importante que, além das crianças a partir de 6 meses de vida, homens e mulheres de qualquer idade se vacinem”, observa Karin.

O esquema de vacinação é feito de acordo com a idade da pessoa (duas doses em crianças e adolescentes e uma em adultos) e apenas uma única vez na vida. Ele é necessário para quem nunca foi imunizado contra a doença anteriormente ou perdeu o comprovante de vacinação.

O sarampo é uma doença infecto-contagiosa de transmissão respiratória. O vírus da pessoa contaminada é eliminado com gotículas de saliva, tosse ou espirro e chega ao indivíduo suscetível. Ele se manifesta por sinais comuns à gripe (febre, coriza, lacrimejamento e tosse) e que duram cerca de quatro dias. Após esse período, advêm manchas avermelhadas na pele. Complicações podem evoluir, por exemplo, para pneumonia e meningite e até mesmo matar.

Em Curitiba a doença não faz casos desde 1998, quando foram registradas 502 ocorrências com um óbito. Na época, houve campanha de vacinação. Em 2008 houve uma outra campanha de vacinação, daquela vez contra a rubéola. Como foi usada a vacina Tríplice Viral, quem participou também saiu protegido contra sarampo e caxumba.

Confira quais as vacinas, além da que protege contra o sarampo, são oferecidas nas unidades de saúde da Prefeitura. Elas se destinam aos públicos de todas as idades devem ser feitas para prevenir várias doenças.

Vacinas para crianças

Vacina Doses Idade Doenças evitadas: 

Vacina
Doses
Idade
Doenças evitadas
BCG
única
0 a 30 dias
Tuberculose
Hepatite B
Três
Ao nascer, aos 30 dias de vida e aos 6 meses
Hepatite B
Poliomielite
Três
Aos 2 meses, 4 meses e 6 meses
Paralisia infantil
Tetravalente
três
2 meses, 4 meses e 6 meses + reforço aos 15 meses
Difteria, tétano, coqueluche, meningite e demais infecções por Haemophilus influenzae tipo B
Rotavírus
duas
2 meses e 4 meses
Rotavírus
Tríplice Viral
Duas
12 meses e de 4 a 6 anos
Sarampo, rubéola e caxumba
Tríplice Bacteriana
Única
entre 4 e 6 anos
Difteria, tétano e coqueluche
Dupla Bacteriana
Três
A partir de 7 anos
Difteria e tétano
Febre amarela
única
A partir de 9 meses
Febre amarela
Pneumocócica
Depende da idade do bebê
até 6 meses: três doses com intervalos de dois meses e reforço após 1 ano; 7 a 9 meses: duas doses e reforço após 1 ano de vida; 10 e 11 meses: duas doses; 12 a 23 meses: dose única
meningites, pneumonias, sinusites e otites
 
 
 
Meningocócica “C”
Depende da idade do bebê
Duas doses até 1 ano (aos 3 meses e aos 5 meses + reforço aos 15 meses) e dose única para os que já fizeram 1 ano.
Meningite meningocócica

 Vacinas para adultos jovens e idosos

Vacina
Doses
Doenças evitadas
Dupla
 Três: intervalo de 2 entre cada uma e reforço a cada 10 anos
Tétano e difteria
Febre Amarela
 Uma a cada 10 anos
Febre amarela
Tríplice Viral
única
Sarampo, rubéola e caxumba
Influenza
 A partir de 60 anos, anual
Gripe
Pneumo 23
única
Pneumonia
Dupla viral
única
Sarampo e rubéola


Vacinas para adolescentes

Vacinas
Doses
Quando dar
Doenças evitáveis
Hepatite B
três
até 19 anos
Hepatite B
Febre amarela
única
a qualquer tempo, a cada dez anos
Febre amarela
Tríplice viral
duas
a qualquer tempo
Sarampo, rubéola e caxumba
Dupla bacteriana
três
a qualquer tempo
Difteria e tétano

 

  • Compartilhe