Como funciona o sistema de saúde em Curitiba

Reconhecida como referência em saúde pública, Curitiba tem 8,7 mil profissionais dedicados ao atendimento diário na rede municipal. Essa grande equipe trabalha numa estrutura que envolve Atenção Básica, Especializada, Urgências, Emergências e exames. Sistemas como o Saúde Já e programas como o Escute seu Coração ampliam o atendimento e melhoram a qualidade de vida da população. Serviços especiais garantem atendimento domiciliar a quem precisa e cuidados direcionados a pessoas em situação de vulnerabilidade social ou com problemas mentais. A atenção completa durante a gestação ajudou a reduzir a mortalidade infantil em 9,5%.

Da atenção básica ao atendimento especializado

O sistema de saúde de Curitiba conta com uma legião de 8,7 mil profissionais que diariamente garantem atenção à saúde dos curitibanos – desde as unidades básicas e exames até o atendimento especializado e de urgência.

São médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, dentistas, farmacêuticos, nutricionistas, fonoaudiólogos, educadores físicos, psicólogos, agentes comunitários, agentes de endemias, biólogos, técnicos em enfermagem, técnicos de saúde bucal, entre outros profissionais tratar das mais diferentes situações de quem procura a rede municipal.

Cada setor dessa grande estrutura tem funções bem definidas, baseadas em normas nacionais e internacionais, destinada a prover o melhor atendimento em cada caso. A estrutura está dividida em Atenção Básica, Especializada, Urgência e Emergência e de exames.

Primeiro contato

O volume de atendimento é bastante elevado.

A Atenção Básica, por exemplo, é uma das áreas do SUS (Sistema Único de Saúde) Curitibano e conta com 111 unidades básicas de saúde, onde são realizadas mais de 7 mil consultas médicas, quase 4 mil consultas com a enfermagem e quase 40 mil procedimentos médicos, de enfermagem e odontológicos – diariamente.

Na área de Atenção Especializada são realizadas outras 5 mil consultas diárias, com os encaminhamentos feitos aos prestadores de serviço, e mais de 35 mil exames complementares de média complexidade, além de mais de 2,5 mil procedimentos de alta complexidade, como radioterapia, quimioterapia, entre outros tratamentos.

No setor de atendimento especializado há cerca de 75 prestadores de serviços que trabalham para o SUS Curitibano, em hospitais, ambulatórios e clínicas.

Já no setor de Urgência e Emergência são mais de 3 mil atendimentos nas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas. – que, como o nome diz, funcionam todos os dias da semana, ininterruptamente.

Operação complexa

Trata-se de uma operação de grande porte, feita com uma qualidade que coloca Curitiba como uma das boas referências em gestão de saúde pública do país.

A capital desenvolveu programas pioneiros (como o enfrentamento ao HIV) e outros amplamente reconhecidos (como o Mãe Curitibana, desenvolvido a partir do Nascer em Curitiba Vale a Vida)

Como funciona?

Conheça um pouco mais cada estrutura de atendimento e qual serviço atende melhor cada caso.

 

 

Banner

Atenção básica: referência para os usuários

A Unidade Básica de Saúde é a principal porta de entrada para o SUS (Sistema Único de Saúde) e também a referência para cada usuário. Nela, o usuário faz seu cadastro (que deve ser mantido atualizado) e recebe todo o acompanhamento de longo prazo – desde o pré-natal (ainda na barriga da mãe) até a velhice.

Todo o trabalho de promoção de saúde, prevenção e tratamentos são feitos ali, incluindo pequenas urgências como situações agudas (uma dor de garganta, por exemplo) podem ser tratadas na unidade básica.

Cerca de 80% dos problemas de saúde são resolvidos na Atenção Básica, ou seja, nos postos de saúde.

Ao longo da vida, o usuário só precisará buscar outro tipo de equipamento de saúde quando enfrentar casos de emergência (um imprevisto ou incidente, como um enfarte ou uma fratura) ou ainda quando a própria unidade básica encaminhá-lo para um especialista (para algum tratamento específico).

“As unidades básicas trabalham no cuidado integral do indivíduo. O usuário fica vinculado à sua unidade e a tem como referência, devendo sempre retornar a ela, para continuidade de acompanhamento da sua saúde, depois de atendimento em outros equipamentos de saúde”, explica a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak.

Como funciona

Chegando à unidade básica de saúde, o usuário é atendido por um profissional de enfermagem, uma forma de atendimento prevista na Política Nacional de Atenção Básica do Ministério da Saúde. A partir dessa primeira abordagem, é feito todo o encaminhamento adequado ao caso específico, conforme a descrição e a gravidade dos sintomas relatados.

Isso determina a prioridade de cada atendimento, que pode demandar uma consulta imediata com um médico ou enfermeiro.

Caso não seja necessário atendimento imediato, a unidade agenda o atendimento médico ou uma consulta com um outro profissional do posto de saúde.

Procedimentos

Também pode indicar ou realizar outros procedimentos oferecidos nas unidades, como avaliação de curativos, ingresso no programa de controle do tabagismo, atividade física, orientação nutricional, agendamento de exames, entre outros.

As unidades de saúde contam com médicos, enfermeiros, auxiliares, técnicos, dentistas e ainda têm apoio de grupos de profissionais como educadores físicos, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas.

“Todos somam os saberes para alcançar o melhor resultado em saúde para o paciente”, diz o médico da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Marcelo Kolling.

Como usar

Ao todo, Curitiba conta com 111 unidades básicas de saúde distribuídas em dez distritos sanitários das Regionais. Basta ao usuário procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa e realizar um cadastro, apresentando o RG, CPF e comprovante de residência.

Quando precisar de atendimento, procure a unidade de saúde diretamente em qualquer  horário de funcionamento. Não é preciso madrugar em fila; todos são atendidos.

Outra alternativa é agendar o primeiro atendimento pelo aplicativo Saúde Já Curitiba (disponível no site saudeja.curitiba.pr.gov.br, na PlayStore para aparelhos Android, e na AppStore para aparelhos iOs). 

Clique aqui e veja onde ficam os equipamentos de saúde mais perto da sua casa.

O atendimento na Atenção Especializada

A maioria dos problemas de saúde é resolvida nas Unidades Básicas, mas em situações específicas é preciso encaminhar o paciente para a Atenção Especializada, onde são realizados exames complementares e consultas com especialistas nas diferentes áreas (ortopedia, oftalmologia, oncologia, por exemplo).

Todos esses encaminhamentos são feitos a partir da Atenção Básica, ou seja, da unidade de saúde de referência do usuário, quando se verifica que há necessidade do atendimento.

Na Atenção Especializada, os atendimentos são realizados por  aproximadamente 75 prestadores de serviços que trabalham para o SUS Curitibano, como hospitais, ambulatórios e clínicas.

Ao todo, mais de 5 mil consultas são realizadas todos os dias com médicos especialistas e mais de 35 mil exames complementares de média complexidade e mais de 2,5 mil procedimentos de alta complexidade, como radioterapia, quimioterapia, entre outros. 

Saúde Já

O programa Saúde Já, implementado em 2017, equalizou as filas de espera para os médicos especialistas na capital paranaense. Desta forma, 76% das especialidades têm atendimento marcado em menos de 90 dias.

Além disso, a Prefeitura de Curitiba investiu na ampliação do Telessaúde, uma estratégia utilizada para apoiar e qualificar os encaminhamentos para especialidades e consequentemente diminuir as filas de espera.

O médico da unidade de saúde conta com o apoio do especialista por meio de um sistema de teleconsultoria. Em conjunto, os profissionais decidem sobre o encaminhamento dos pacientes, trazendo agilidade para o sistema.

Como usar

Os encaminhamentos para a Atenção Especializada partem da Atenção Básica, ou seja, da unidade de saúde de referência de cada usuário, quando se verifica que há essa real necessidade

O Telessaúde só existia para a neurologia. Agora está disponível em todas as unidades de saúde nas especialidades de cardiologia, pneumologia (geral e oxigenioterapia), hematologia, psicologia, psiquiatria, reumatologia, endocrinologia pediátrica, odontologia (endodontia), ortopedia, cirurgia plástica reparadora e fisioterapia aquática. 

Abaixo, o Hospital do Idoso, especializado no atendimento da população da terceira idade e referência no país.

Banner

UPA: foco na urgência e emergência médicas

A rede de Urgência e Emergência em Curitiba é composta por nove Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) que funciona ininterruptamente, 24 horas por dia.

Essas unidades prestam atendimentos que precisam de respostas mais rápidas, urgências maiores, quadros agudos de início súbito, sofrimento intenso e emergências, em que há risco de morte.

Essas são características especiais. Daí que o atendimento não é feito por ordem de chegada, mas sim de acordo com a classificação de risco do paciente, baseada em protocolos internacionais.

Basicamente, pacientes em estado que exige mais rapidez são atendidos antes – já que a demora pode gerar complicações sérias.

A classificação é feita por meio de cores, numa escala decrescente de prioridade: vermelho (mais grave), laranja, amarelo, verde e azul (menos grave).

Desta forma, os casos sem risco de morte podem aguardar mais tempo por um atendimento, já que a missão principal na UPA é salvar vidas que estejam em risco iminente.

Prioridades

Essa priorização é importante para as UPAs da cidade.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, mais de 80% das pessoas que buscam as UPAs em Curitiba estão em situação que não é de urgência ou é considerada de baixa urgência.

“Isso desvirtua o verdadeiro papel para o qual a UPA está estruturada e traz impacto, tanto para o sistema, como na linha de cuidado que seria mais adequada para o usuário”, afirma a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Segundo Márcia, é importante que os usuários busquem a prevenção e o acompanhamento da saúde no seu posto de saúde, próximo a sua residência.

“UPA não deve ser usada como uma clínica de consulta. Ela é uma unidade voltada para salvar vidas, para pacientes com casos de urgência e emergência”, afirma o diretor de urgência e emergência, Pedro Almeida.

Como usar

Em caso de urgência e emergência, procure uma das nove UPAs de Curitiba. O atendimento será feito conforme a classificação de risco que prioriza o atendimento dos pacientes mais graves. A UPA não é indicada para consultas médicas, em caso que não são de urgência e emergência clínica. Além disso, as UPAs não realizam encaminhamento para consultas especializadas, o que é realizado a partir da atenção primária (postos de saúde).

Veja o vídeo e saiba que unidade procurar

Samu, o socorro rápido

Salvar vidas, 24 horas por dia, todos os dias da semana, em qualquer ponto da cidade. Esse é o trabalho do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que desempenha um importante papel da Rede de Urgência e Emergência, junto com as UPAs.

O serviço é acionado pelo telefone 192. Todas as chamadas são atendidas e filtradas, coletando-se as informações mais urgentes (local da ocorrência, estado da vítma, identificação).

A partir daí, um médico regulador passa a prestar a segunda etapa do atendimento pelo telefone. Ele dá os encaminhamentos conforme a gravidade de cada situação, que pode ir desde orientações até o envio da ambulância.

Os casos de emergência são prioridade. O médico regulador acompanha o trabalho da ambulância. No transcorrer da ocorrência, é acionada a unidade mais adequada ao caso, dentro da rede de hospitais e UPAs, de acordo com a proximidade e capacidade de atendimento naquele momento.

“Nosso objetivo é encaminhar a pessoa certa ao lugar certo no tempo certo”, explica o Diretor do Departamento de Urgência e Emergência de Curitiba e do Samu, Pedro de Almeida.

Atualmente, o Samu em Curitiba atende cerca de mil ligações diárias. Destas, cercas de 800 se tornam ocorrências (o restante é trote ou engano). Na média, 400 ocorrências precisam de envio de ambulâncias. As outras 400 têm outras formas de resolução, como as orientações do médico regulador.

O Samu em Curitiba conta hoje com 27 ambulâncias (incluindo 9 UTIs móveis) além de um helicóptero. Toda a frota operacional de ambulâncias do Samu foi renovada desde janeiro de 2017.

Como usar

Em caso de urgência e emergência, ligue para o 192.

Veja no vídeo abaixo dicas para o serviço ser mais rápido e eficiente.

Rapidez e eficiência

3.000 leitos disponíveis

A rede curitibana tem 3.000 leitos, entre gerais, de UTI, de isolamento e de cuidados intermediários. Eles são acionados pela área de Atenção Especializada e pela Urgência e Emergência sempre que o paciente precisa de cuidados mais complexos. Os leitos pertencem a hospitais prestadores de serviço do SUS Curitibano.

Além dos leitos no município, também há vagas em prestadores de serviço na Região Metropolitana.

Desde 2017, foram abertos 287 novos leitos hospitalares e 57 leitos de UTI, considerando o sistema metropolitano de Curitiba.

Além disso, em 2019 foi inaugurada a nova ala destinada exclusivamente para crianças no Hospital Evangélico Mackenzie, com cem leitos, dos quais dez são de UTI.

Hospital do Idoso

Os hospitais que atendem ao SUS Curitibano são prestadores de serviço, o que significa que não são administrados pelo município.

A exceção é o Hospital Municipal do Idoso Zilda Arns, que é 100% financiado pela Prefeitura de Curitiba.

Com quase 400 mil atendimentos por ano, o Hospital Municipal do Idoso é o primeiro e um dos poucos do Brasil especializado no atendimento de pessoas com mais de 60 anos. O índice de satisfação da instituição é de 98%.

O acesso a esse hospital se dá por meio do encaminhamento das unidades básicas de saúde ou, em casos de urgência e emergência, pelas UPAS.

Saúde Mental: trabalho em rede

A Saúde Mental no SUS Curitibano estrutura-se a partir de uma rede de atenção, que trabalha em acordo com os parâmetros das diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental.

Essa rede permite favorecer o acesso das pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso de substâncias psicoativas e suas famílias aos pontos de atenção em saúde de diferentes complexidades e contemplando a diversidade das demandas.

A porta de entrada preferencial é a Atenção Básica, numa das 111 unidades de saúde. Casos leves são acompanhados na própria unidade de saúde, que conta com apoio de psicólogos e psiquiatras.

Casos moderados são encaminhados pela unidade de saúde a um dos quatro ambulatórios, onde há oferta de consultas especializadas de psicologia e psiquiatria.

Casos moderados a graves são encaminhados aos Centros de Atenção Psicossocial (Caps). Curitiba conta hoje com 13 Caps para atendimento de crianças e adultos, com casos em que são identificados sofrimento psíquico intenso e necessidade de reabilitação psicossocial. 

Complementam a rede de atenção à Saúde Mental, o serviço das UPAs, Samu, para casos de urgência e emergência, e os leitos hospitalares psiquiátricos.

“Na Saúde Mental, atendendo a Política Nacional de Saúde Mental, a hospitalização é o último recurso a ser utilizado, segundo critérios estabelecidos”, explica a coordenadora da Saúde Mental da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Flávia Adachi.

“A hospitalização só é utilizada em casos bem específicos, de alto risco. O objetivo é promover sempre o tratamento do paciente dentro do seu contexto familiar e social, buscando a sua reinserção.”

Como usar

O acesso à rede de Saúde Mental deve prioritariamente ocorrer a partir das unidades básicas de saúde, onde se realiza avaliação de estratificação de risco para se definir qual o melhor ponto de atenção a partir das necessidades identificadas.

Banner

Saúde bucal nas 111 unidades

O SUS é um “plano de saúde” completo, cuja “cobertura, inclui a saúde bucal de seus usuários. Diariamente são realizados mais de 6 mil procedimentos odontológicos, considerando apenas os da Atenção Básica. 

O atendimento odontológico é oferecido em todos os 111 postos de saúde de Curitiba, que é a porta de entrada do sistema. Quando é necessário, no entanto, o paciente é encaminhado a um dos três Centros de Especialidades Odontológicas da capital ou então para o atendimento hospitalar.

Há, ainda, o atendimento de urgência e emergência odontológica em três UPAs (Boa Vista, Fazendinha e Sítio Cercado) para o período em que as unidades básicas encontram-se fechadas.

Como usar

Para atendimento odontológico basta procurar a unidade básica mais próxima de sua casa. A procura pode ser feita diretamente na unidade ou o atendimento pode ser agendado por meio do aplicativo Saúde Já Curitiba.

Clique aqui e veja a unidade mais próxima da sua casa.

Vacinas gratuitas e disponíveis a todos

O Programa Nacional de Imunização do SUS é considerado um exemplo mundial. Só em Curitiba, cerca de 1,2 milhão de doses são aplicadas ao ano, um volume superior a 4,5 mil por dia. O calendário inclui vacinas para crianças, adolescentes, adultos e idosos. É importante ficar atento ao calendário e manter a vacinação em dia.

Como usar

As vacinas do calendário estão disponíveis em 110 unidades básicas de saúde. Basta ir direto à unidade para tomar a vacina necessária.

Pelo aplicativo Saúde Já Curitiba é possível visualizar a sua carteira virtual de vacinação e verificar qual quais vacinas já foram tomadas, se há alguma dose em atraso e quais as próximas.

Clique aqui e veja o calendário anual de vacinação para todos os públicos.

Saúde Já: serviços na palma da mão

Lançado em março de 2017, o aplicativo Saúde Já Curitiba permite acesso a serviços do SUS Curitibano como: agendamento do atendimento com a enfermagem e odontológico, confirmação de consultas especializadas e exames com comprovante de agendamento do local, data e hora; acesso à carteira virtual de vacinação, à função “Meu Pré-Natal” para o acompanhamento da gestação e a função “Urgências”, que traz orientações para esses casos, entre outros.

A grande vantagem é que as pessoas não precisam ir pessoalmente às unidades para encaminhar esses serviços.

Menos filas e mais agilidade.

Como usar

O aplicativo é grátis e pode ser baixado e está disponível na App Store (celulares com sistema iOS), na Play Store (para aparelhos com sistema Android) e pelo site saudeja.curitiba.pr.gov.br

Baixe e use

Escute seu Coração, prevenção que salva

O programa Escute o Seu Coração busca reduzir as mortes prematuras por doenças do coração e derrames cerebrais em Curitiba. Para isso, o programa cria uma linha de cuidados especiais, estimulando hábitos saudáveis e promovendo saúde, prevenção de doenças cardiovasculares, melhoria de protocolos na atenção ambulatorial básica e especializada e da assistência na urgência e emergência.

Promoção à saúde

As principais doenças associadas a “ataques do coração” e “derrames cerebrais” são a hipertensão, a diabetes, a obesidade e a dislipidemia (excesso de gordura no sangue, como colesterol e triglicérides).

Essas doenças têm como fatores de risco sedentarismo, estresse, tabagismo e alimentação rica em calorias, açúcar, gordura e sal.

Por isso que a promoção à saúde é um dos principais eixos do programa Escute o Seu Coração.

“Não queremos apenas tratar os doentes. Queremos evitar que as pessoas adoeçam. E evitar, também, que as pessoas que já têm doenças associadas tenham alguma piora do quadro, com consequências graves para sua qualidade de vida”, afirma a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Para o presidente da Sociedade Paranaense de Cardiologia, João Vitola, o programa é inovador.

“Curitiba tem sido um modelo para outras cidades do mundo em várias ações importantes e inovadoras para melhorar a vida de sua população. Na área da saúde não é diferente”, disse ele.

Portal

O programa conta com um portal, em que os usuários podem testar a qualidade de seus hábitos, identificar mudanças

O site traz ainda dicas simples, que podem ser incorporadas facilmente ao dia a dia, além de dar acesso a informações de serviços municipais de alimentação, esporte e lazer.

Clique aqui e conheça os dez mandamentos do coração saudável.

 Maria das Dores Bordin, 71 anos, participante do Escute seu Coração

Cuidado integral das mães e dos bebês

A Rede Mãe Curitibana Vale a Vida é uma ampliação do Mãe Curitibana, criado em 1999, que, por sua vez, teve como precursor o programa Nascer em Curitiba Vale a Vida.

O programa visa ao cuidado integral da gestante e do bebê e tem uma experiência exitosa na redução dos indicadores de mortalidade materna infantil ao longo dos anos.

Em 2018, por exemplo, a mortalidade infantil caiu para 8,7 óbitos em cada 1.000 nascidos vivos, uma redução de 9,5% em relação a 2016.

Na reformulação, uma das principais mudanças nos protocolos da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida, desde 2017, é a estratificação de risco das gestantes.

Antes elas eram divididas apenas nos grupos risco normal ou alto. Agora, há graduações entre o risco normal e alto, o que garante cuidados mais adequados para cada gestação.

Ampliação do atendimento

Na parte de atualização de medicamentos, houve ampliação de suplementos vitamínicos e antibióticos, disponibilizados às gestantes. Houve, ainda, a inclusão de exames no protocolo, como teste de hepatite C, TSH, que avalia o funcionamento da tireóide, e Streptococcus agalactiae, que aponta a possibilidade de infecção bacteriana prejudicial ao bebê. Outra grande novidade, é a inclusão do pré-natal odontológico para as gestantes. 

Como usar

Se você for gestante ou suspeitar estar grávida, procure sua unidade de saúde para iniciar o acompanhamento pela Rede Mãe Curitibana Vale a Vida.

Maternidade referência em parto humanizado

Financiada 100% pela Prefeiitura, a Maternidade Bairro Novo é referência em parto humanizado. O atendimento é especializado em partos de baixo risco para gestantes com pré-natal realizado em 23 unidades de saúde vinculadas à maternidade, nos Distritos Sanitários Bairro Novo, Boqueirão, Pinheirinho e Tatuquara. O encaminhamento é feito a partir de uma dessas unidades básicas.

O mais recente reconhecimento do trabalho da Maternidade Bairro Novo veio em dezembro de 2017, quando recebeu troféu Parceria Sustentável, entregue pela Organização Mundial da Família (OMF). A OMF tem status consultivo na Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, ela tem o selo “Amigo da Criança” do Ministério da Saúde.

 

Abaixo, mãe e filho atendidos na maternidade em imagem que faz parte de exposição permanente da unidade. (Foto: Luciana Zenti).

 

Banner

Programas de vanguarda contra doenças sexuais

Todas as 111 unidades de saúde de Curitiba distribuem gratuitamente preservativos masculinos e femininos, realizam exames convencionais de HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e ofertam tratamentos.

Além disso, no Centro de Orientação e Aconselhamento (COA) e o e-COA (que é uma extensão do COA) também oferecem preservativos, testes rápidos e tratamentos.

O COA atende ao público em geral em horário comercial. Já o e-COA funciona em horário alternativo, das 17h às 22h, de terça à sexta-feira, e é focado no atendimento da população masculina, considerada a população mais vulnerável devido à alta concentração de casos de HIV/Aids.

Como usar

Para receber preservativos, realizar testagem e tratamento para infecções sexualmente transmissíveis procure sua unidade de saúde de referência ou o COA, em horário comercial.

Para homens residentes em Curitiba, também está disponível o serviço do e-COA, das 17h às 22h, de terça à sexta-feira.

A procura ao COA e ao e-COA pode ser feita diretamente, sem a necessidade de encaminhamento da unidade básica de saúde.

Se quiser realizar o autoteste do HIV solicite pelo site www.ahoraeagora.org

O COA e o e-COA oferecem ainda a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP) e Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (Prep).

Há, ainda, a disponibilização de armários que oferecem autotestes em locais de grande circulação, como a Rodoferroviária de Curitiba. O autoteste também está disponível no e-COA e no COA.

Equipes especiais atendem pessoas vulneráveis

As equipes do Consultório na Rua são itinerantes. Circulam em um trailer adaptado para prestar serviços de saúde para pessoas em extrema vulnerabilidade social e vivem em situação de rua.

São quatro equipes, formadas por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, psicólogo, assistente social, cirurgião dentista e técnico em saúde bucal, que vão a pontos estratégicos da cidade, como Largo da Ordem, praças Rui Barbosa e Santos Andrade, Terminal Boqueirão. Essas são áreas de concentração de pessoas em situação de rua.

Também percorrem a cidade em busca destas pessoas. Para isso, além do trailer, utilizam duas ambulâncias de suporte.

Como usar

O trailer do Consultório na Rua funciona de segunda à quinta-feira, das 9h às 16h, para atendimento de saúde da população em situação de vulnerabilidade social, conforme este cronograma:

Segundas-feiras, das 9h às 16h - Largo da Ordem (Praça Garibaldi)
Terças-feiras, das 9h às 16h - ao lado do Terminal do Boqueirão
Quartas-feiras, das 9h às 16h - Praça Rui Barbosa
Quintas-feiras, das 9h às 16h - Praça Santos Andrade

 

Abaixo, equipe do Consultório na Rua em ação na Caximba. (Foto: César Brustolin/SMCS)

 

Banner

Atendimento em casa com equipe completa

Aquele tempo que o médico ia visitar em casa não ficou apenas na memória em Curitiba. Para pacientes que precisam de cuidado extra e cujos deslocamentos são um empecilho, o Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) leva médico e equipe multidisciplinar para prestar o mesmo atendimento que seria dado em um hospital.

O SAD conta com dez equipes – formadas por médico, enfermeiro, fisioterapeuta, técnico de enfermagem, farmacêutico, nutricionista e assistente social, fonoaudióloga – que vão, de segunda a sexta-feira até a casa de pacientes em todas as regiões de Curitiba.

Desospitalização

O SAD não é o único serviço que trabalha com desospitalização de pacientes. A Saúde municipal tem uma gama de outros serviços envolvendo visitas domiciliares.

Por ano, são realizadas pela Atenção Primária cerca de 758,5 mil assistências domiciliares, entre visitas de agentes comunitários de saúde, auxiliares de enfermagem, enfermeiros, médicos, auxiliares em saúde bucal, dentistas, técnicos de enfermagem, técnicos em saúde bucal, assistente social, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, profissional de Educação Física e psicólogos.

Já a unidade de Vigilância em Zoonoses realiza quase 6 mil visitas anuais, com ações de orientação quanto à leptospirose, prevenção contra roedores, vacinação antirrábica de cães e gatos que tiveram contatos com morcegos e para coletas de animais de interesse à saúde (morcegos, escorpiões, lagartas, serpentes), para prevenção de doenças que podem ser transmitidas para seres humanos.

Na frente de trabalho Curitiba Sem Mosquito são realizadas 190 mil visitas anuais por agentes à imóveis curitibanos. Nessas visitas, os profissionais vistoriam o imóvel em busca de possíveis depósitos de água que possam ser criadouros para o mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. É realizado também o monitoramento da cidade por meio de vistoria semanal de armadilhas em todo o território, totalizando 3 mil visitas ao ano. Além disso, há a vistoria quinzenal em outros 604 pontos estratégicos do município.

Como usar

Para ter acesso a visitas domiciliares, a família do paciente procura a Unidade de Saúde mais próxima para solicitar uma avaliação dos critérios de inclusão no programa. Pacientes atendidos em UPAs e hospitais da rede credenciada também podem ser indicados pelos médicos ao serviço. Quando o paciente é desospitalizado o próprio hospital já faz a solicitação

 

Você sabia que...

SUS busca soluções para todos

A Saúde conta com uma área chamada Epidemiologia, que tem como objetivo a obtenção contínua de conhecimentos e dados relacionados às condições de saúde e a ocorrência de doenças, para oferecer apoio aos programas de prevenção, tanto no controle como na erradicação de doenças. A prioridade é a saúde da população como um todo, independentemente se usuária do SUS ou não, e o compromisso pela busca de soluções.

Animais são monitorados

É a Secretaria de Saúde também que faz o trabalho de monitoramento em relação a animais que podem transmitir doenças ao ser humano. Por isso, a área de saúde ambiental e zoonoses se debruçam sobre planos de ação para evitar que se propagem doenças como leptospirose, raiva, febre amarela, entre outros.

Dentro deste trabalho destaca-se a ação Curitiba Sem Mosquito, que combate o mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como  dengue, zika e  chikungunya.

Outra frente de trabalho da zoonoses é em relação ao animais peçonhentos e venenosos, como aranha marrom, lagarta, escorpião e cobra.

Pode tirar dúvidas, fazer elogios e reclamações

Dúvidas, elogios e reclamações sobre o SUS? Entre em contato com a Ouvidoria do SUS gratuitamente pelo 0800-644-0041, das 7h às 19h, nos dias úteis, ou pessoalmente no endereço Rua Francisco Torres, 830, térreo, Centro, das 8h às 18h, também nos dias úteis, ou pelo site www.saude.curitiba.pr.gov.br.  É possível, ainda, acessar a Central 156, pelo telefone 156, ou pelo site www.central156.org.br.

Vigilância Sanitária é SUS

A Vigilância Sanitária também é SUS. Ela é ligada à Secretaria de Saúde e é responsável por fiscalizar e liberar licenças sanitárias para estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, com o objetivo de minimizar e prevenir riscos à saúde, zelando pelas condições sanitárias dos estabelecimentos que atendem à população.

Trabalhadores têm área exclusiva

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) conta com uma área de Vigilância Epidemiológica em Saúde do Trabalhador, ligada à Secretaria de Saúde, responsável por identificar o motivo pelo qual os trabalhadores adoecem ou morrem, associando esses dados aos ramos de atividade econômica e aos processo de trabalho. Por meio dos dados coletados junto ao Sistema Nacional de Notificações de Agravos (Sinan) são norteadas ações como: investigação de acidentes de trabalho nos ambientes de trabalho, ações de prevenção de agravos e o controle de fatores de risco, para, assim, melhorar a saúde e o bem estar da população trabalhadora, e reduzir o número de mortes evitáveis.

Voltar para o Topo