Ir para o conteúdo
Prefeitura Municipal de Curitiba Acessibilidade Curitiba-Ouve 156 Acesso à informação
Operação Urbana

Prefeitura vende R$ 3,9 milhões em potencial da Linha Verde

Prefeitura vende R$ 3,9 milhões em potencial da Linha Verde. Foto: Daniel Castellano/SMCS

 

A Prefeitura de Curitiba vendeu R$ 3,9 milhões (R$ 3.970.512,00) em Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepca) da Operação Urbana Consorciada Linha Verde (OUC-LV), em leilão realizado nesta quarta-feira (27/11).

Esta foi a terceira maior arrecadação do município desde 2012, quando foi iniciada a comercialização em operação autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Como parte da Operação Urbana Linha Verde foram feitos sete leilões até aqui, dos quais quatro promovidos pela atual gestão.

Neste segundo leilão da terceira distribuição pública, realizado pela B3 S.A. (Brasil, Bolsa, Balcão), sob a coordenação do BB – Banco de Investimento S.A., foram comercializados 11.817 Cepacs, ofertados a R$ 336 a unidade. O total arrecadado será integralmente aplicado na infraestrutura da Linha Verde.

Considerando este último resultado, desde a retomada dos leilões pela Prefeitura, no início da atual gestão, foram vendidos R$ 7,9 milhões em Certificados de Potencial Adicional de Construção da Linha Verde.

No leilão anterior, em maio deste ano, foram arrecadados R$ 427 mil com da venda de 1.273 certificados. Em maio de 2018, a venda somou R$ 1 milhão com a comercialização de 3.024 Cepcas e em setembro de 2017 foram vendidos 7.619 Certificados de Potencial Adicional de Construção da Linha Verde, que somaram R$ 2,5 milhões.

De 2012 até aqui, quando do início da Operação Urbana Consorciada Linha Verde, houve sete leilões (2012, 2014, 2016, 2017, 2018, e dois em 2019) cuja soma arrecadou R$ 44,9 milhões, com a venda de 192 mil certificados.

Potencial adicional

Com a aquisição do Valor Mobiliário, o investidor adquire o direito à Área de Construção Adicional (ACA) nos empreendimentos dentro da abrangência da OUC Linha Verde.

Ao longo do eixo da Linha Verde, a Operação Urbana foi dividida em três setores (Norte, Central e Sul) com um potencial adicional de construção equivalente a 4,47 milhões de metros quadrados, compreendendo áreas para usos habitacionais, comércio e serviços.