Ir para o conteúdo
Prefeitura Municipal de Curitiba Acessibilidade 156 Acesso à informação
Participação popular

Ippuc e Cohab apresentam Bairro Novo da Caximba à comunidade

Nesta quarta-feira (3), foi apresentado para a comunidade da Vila 29 de Outubro, o projeto Novo Bairro do Caximba. A apresentação contou com técnicos do IPPUC, Cohab e Regional Tatuquara. Curitiba, 03/04/2019 Foto: Eduardo Amatuzzi

Moradores da Vila 29 de Outubro, no Caximba, conheceram na noite de quarta-feira (3/4) detalhes da intervenção da Prefeitura que vai transformar a realidade local. Foram apresentadas à comunidade as etapas que compõe o projeto Bairro Novo da Caximba.

Cerca de 350 pessoas participaram da reunião, que aconteceu no salão da Igreja São João Batista. O encontro foi coordenado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), com participação da Administração Regional do Tatuquara e da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab). Ao final da apresentação, a população teve a oportunidade de tirar dúvidas com técnicos do Ippuc e da Cohab.

As reuniões para apresentação do projeto serão realizadas semanalmente até que todas as famílias beneficiadas sejam informadas a respeito da intervenção. O projeto envolve a construção de novas moradias para reassentamento de 1.147 famílias, a implantação de um dique para contenção de cheias, infraestrutura viária, urbanização e um parque linear às margens do Rio Barigui.

Participaram o coordenador de projetos do Ippuc, Mauro Magnabosco, o diretor técnico da Cohab, Mauro Kugler, e o administrador Regional do Tatuquara Jadir Silva de Lima. “Precisamos contar com o apoio da população para impedir novas construções irregulares no local. O projeto foi elaborado com base no número de famílias que já foram cadastradas pela Cohab”, destacou Kugler.

Mudança

O Bairro Novo da Caximba foi idealizado pela Prefeitura de Curitiba para transformar um conjunto de ocupações irregulares surgido na última década em um bairro ecológico e estruturado.

As moradias precárias e sem acesso a serviços e equipamentos públicos darão lugar a casas seguras e regulares, em local atendido com saneamento básico, abastecimento de água e energia elétrica, sistema de transporte coletivo e parque linear.

“A intervenção garante ao mesmo tempo uma melhor qualidade de vida aos moradores e também a conservação das bacias hidrográficas dos rios Barigui e Iguaçu”, explicou Magnabosco.

Em março foi publicado o edital para contratação de serviços de engenharia e arquitetura que darão início à intervenção física na área. O projeto tem o custo estimado em R$ 200 milhões e é considerado uma das prioridades da gestão do prefeito Rafael Greca.

A Agência Francesa de Desenvolvimento manifestou interesse em continuar a parceria com a Prefeitura para financiar projetos socioambientais.