Ir para o conteúdo
Prefeitura Municipal de Curitiba Acessibilidade 156 Acesso à informação
Inovação

Eletromobilidade é defendida por lideranças em workshop

Workshop Oportunidades de integração da eletromobilidade no transporte urbano de Curitiba, nesta sexta- feira (26/4), no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc). Foto: Divulgação

Representantes do setor produtivo, da academia, do terceiro setor e de organismos financiadores defendem mudança de matriz energética e a variação de modais de transporte público como passo importante na busca da sustentabilidade e no cumprimento de metas de redução de poluentes.

Ao final do workshop Oportunidades de integração da eletromobilidade no transporte urbano de Curitiba, nesta sexta- feira (26/4), no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), diversas lideranças destacaram a relevância do tema e o trabalho da cidade neste campo.

Essa transição para modais elétricos deverá ser uma das exigências no município a partir de 2025, com a nova concessão dos serviços do transporte público.

Para Zeno Nadal, da superintendência de Smart-Grid e Projetos Especiais da Copel Distribuição, o sistema de transporte curitibano representa um diferencial neste processo. “Curitiba tem uma grande vantagem porque tem boa parte da infraestrutura de transporte preparada. A cidade tem tradição na apresentação de soluções e precisa resgatar o processo de inovação.”

Na opinião do engenheiro, o avanço será possível com a adaptação às novas tecnologias disponíveis para que a cidade possa implantar um novo modal que atenda às demandas e anseios da população.

Otávio Derenievicki Filho, da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), destacou a importância da convergência de ações de diversos segmentos em favor da eletromobilidade. “Há diversos atores imbuídos em atuar em conjunto, desde a academia, a iniciativa privada, o setor público. No workshop analisamos diversas contribuições de estudos já realizados, além de prospecções que nos permitem construir um mapa com vistas ao futuro na área da mobilidade.”

Derenievicki ressalta que as contribuições vão para além do aspecto técnico ou da motivação de ter um veículo elétrico.  “Há uma contribuição social e também econômica pela sustentabilidade. A expectativa é fomentar a indústria local e regional para que seja possível entregar à população um serviço de qualidade sem um custo maior”, completou.

Segundo Rogério Barbosa, gerente de projetos da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), o evento possibilitou a integração de ações e a identificação de ferramentas para orientar o planejamento no campo da eletromobilidade. “É uma trajetória que Curitiba já segue há algum tempo e que continua cada vez mais fortalecida”.

Ana Sílvia Gomes, da Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), destacou a interação da capital e do Estado para a modernização do transporte integrado. “A busca está na ação conjunta dos governos municipal, estadual e federal para a redução de taxas e custos de forma a facilitar a implantação deste novo modal.”

O evento realizado por dois dias no Ippuc teve o suporte do PROMOB-e, o projeto de cooperação técnica do Ministério da Economia com o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento por intermédio da agência alemã de cooperação GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit GmbH).