Conheça a rede de alimentação saudável

Armazéns e sacolões da Família, restaurantes populares, feiras e mercados municipais fazem parte da estrutura de abastecimento do município, que fornece alimentos de qualidade a preços mais baixos. Hortas dão bom uso a espaço e inserem microprodutores no mercado.

Capital tem oferta ampla e educação alimentar

A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab), é responsável por vários programas de segurança alimentar que, associados à educação, buscam garantir que os curitibanos tenham acesso a refeições baratas, balanceadas e de qualidade.

O trabalho reflete a prioridade de garantir alimentação saudável e melhoria do padrão nutricional para todos os curitibanos.

Os frequentadores dos Armazéns da Família, Sacolões da Família,  Restaurantes Populares, feiras e mercados da Prefeitura têm acesso a alimentos de qualidade.

Nos estabelecimentos da Prefeitura, a população recebe ainda orientações sobre a importância de rever hábitos alimentares, evitando o consumo de alimentos industrializados e priorizando produtos saudáveis, como frutas e hortaliças.

Dessa forma, os programas ajudam ainda a combater problemas como a obesidade e também a prevenir doenças, em especial as cardiovasculares.

Os programas também incluem o resgate do homem à terra e a valorização dos alimentos cultivados por agricultores da Região Metropolitana são missões do município.  

Atualmente, a Prefeitura dá apoio técnico a cerca de mil produtores de hortas urbanas de Curitiba e mais de 200 famílias de agricultores da Grande Curitiba são estimulados a comercializar seus hortifrutigranjeiros na capital.  

Conheça os principais programas de segurança alimentar da capital.

Banner

Armazéns da Família: produtos 30% mais baratos

Curitiba tem 33 unidades de Armazéns da Família, que oferecem gêneros alimentícios e de higiene e limpeza a preços, em média, 30% mais baratos que no varejo tradicional.

Ao todo, 260 mil famílias curitibanas podem fazer compras nos armazéns.

Os armazéns se destinam a famílias com renda máxima de cinco salários mínimos.

O cadastro no programa pode ser feito online (clique aqui e acesse), inclusive o envio da documentação exigida, caso esteja fazendo o primeiro cadastro.

Quem preferir fazer o cadastramento pessoalmente pode procurar os núcleos da Smab nas Ruas da Cidadania de cada Regional.

Veja aqui os endereços dos 33 Armazéns da Família de Curitiba.

 

Região metropolitana também utiliza Armazéns

O programa Armazém da Família não se limita à capital. Na Região Metropolitana de Curitiba, 58,1 mil famílias têm acesso aos produtos mais baratos. Entre as dez cidades da Grande Curitiba conveniadas ao programa, Almirante Tamandaré, Pinhais, São José dos Pinhais, Bocaiúva do Sul, Agudos do Sul e Mandirituba contam com unidades conveniadas próprias (administradas pelos municípios). Já os moradores de Campo Magro, Quatro Barras, Fazenda Rio Grande e Campo Largo podem fazer compras nas 33 unidades de Curitiba. Cada um dos municípios exige renda familiar específica e os cadastrados devem ser feitos nas prefeituras.

 

"Aqui eu encontro de tudo; os preços dos alimentos e dos produtos de limpeza são muito mais em conta que em outros lugares.”

Maria de Lourdes Francisco da Silva, 67 anos, dona de casa e freguesa do Armazém da Família CIC/Barigui. 

Banner

Restaurantes populares: qualidade em conta

Os restaurantes populares garantem uma alimentação saudável a preços baixos.

Atualmente, são cinco unidades frequentadas, anualmente, por  1,1 milhão de pessoas, que têm acesso a um cardápio balanceado, a R$ 2,80.

Em 2020, deverá ser inaugurado o Restaurante Popular do Tatuquara.

Para garantir a qualidade das refeições, cozinheiros, auxiliares, nutricionistas e técnicos em nutrição da Smab elaboram os cardápios nas cozinhas dos restaurantes.

O menu muda todo dia e é formado sempre por seis itens: arroz, feijão, carne, um acompanhamento, salada e sobremesa. 

Banner

Sacolão da Família: fruta e verdura a R$ 2,29

Com a inauguração do Sacolão da Família da Praça Rui Barbosa, em março de 2019, o programa da Prefeitura passou a contar com 16 unidades que oferecerem frutas e verduras frescas ao preço máximo de R$ 2,29 o quilo.

Responsáveis pela comercialização de cerca de 1,7 mil toneladas de alimentos in natura por mês, os Sacolões passam por monitoramento periódico de qualidade e de conformidade com as normas exigidas em relação à estrutura e legislação.

As unidades atendem 2,2 milhões pessoas por ano e são abertas à toda população, que não precisa fazer nenhum tipo de cadastramento para fazer suas compras.

A maioria da oferta dos produtos é de frutas e verduras da época.

O horário de funcionamento varia entre as unidades, abrindo entre 8h e 9h e fechando entre 17h e 20h30, de terça a sábado.

Clique aqui e veja o Sacolão da Família mais perto de você e os horários de cada um.

 

Veja vídeo do Sacolão

Capital tem feira em todos os cantos

Espalhadas por toda a cidade, as feiras são uma tradição de Curitiba. Ao todo, são 89 pontos, entre feiras livres, noturnas, gastronômicas, orgânicas e do programa Nossa Feira (que vende alimentos produzidos por agricultores da Região Metropolitana de Curitiba).

Saiba mais sobre cada uma delas.

Feiras Livres: são 38 pontos vendendo hortifrutigranjeiros convencionais. São realizadas e que ocorrem de terça-feira a domingo, no horário da manhã (há algumas variações de horários).
Clique aqui e veja os locais, dias e horários de funcionamento.

Feiras Noturnas: são 14 pontos, comercializando diferentes estilos de pratos preparados (pastéis, sanduíches etc)  e hortifrutigranjeiros convencionais, de terça-feira a sexta-feira, das 17 às 22 horas.
Veja aqui os locais, dias e horários de funcionamento.

Feiras Gastronômicas: são quatro pontos, oferecendo para o público exclusivamente vários estilos de pratos preparados, no Sítio Cercado (segunda, das 17h às 22h); no Cristo Rei (quinta-feira,  17h às 22h); Capão Raso (sexta, das 17h às 22h) e no Batel (sábado, das 12h às 21h).
Nos dias de jogos, o estádio Couto Pereira recebe uma feira especial de futebol.
Veja aqui os locais, dias e horários.

Feira das Cooperativas: o ponto ocorre todas as sextas-feiras, das 8h às 14h, na Travessa Jesuíno Marcondes, em frente a Praça Osório, no Centro. O ponto comercializa hortifrutigranjeiros colhidos de propriedades de agricultores da Grande Curitiba.

Feira do Litoral:  aos sábados, a feira da Praça 19 de Dezembro, no Centro, vende frutos do mar e outros produtos do litoral ocorre todo sábado. O ponto ocorre das 7 às 14 horas.

Feira Direto da Roça e do Mar: sete pontos vendem alimentos de produtores da Grande Curitiba, com a maioria das feiras ocorrendo sábado e domingo pela manhã (apenas a feira do bairro Mercês é realizada sexta-feira esábado, das 8 às 18 horas).
Veja aqui os locais, dias e horários de funcionamento.

Feiras Orgânicas: A maioria dos 14 pontos oferece alimentos livres de agrotóxicos, as terças, quartas, quintas e sábados, pela manhã.
Apenas as feiras do Ahú e do Cristo Rei são noturnas, das 17 às 21 horas.
Veja aqui as feiras diuranas e aqui as noturnas.

Nossa Feira: nove pontos vendem, de segunda a sexta, produtos de agricultores familiares da Grande Curitiba diretamente para o consumidor ao preço único de R$ 2,29 o quilo. Além disso, os pontos contam com bancas de pastel, pamonha, pescado, frios e petiscos. As feiras ocorrem a partir das 16 horas (alguns pontos a partir das 17 horas) até 20 horas, de segunda a sexta-feira.
Veja aqui os locais, dias e horários de funcionamento.

Pontos de pescado: comercializam peixes e outros frutos do mar, nas sextas e sábados, das 8h às 18h, na Praça Divina Pastora, entre Rua Manoel Ribas e Rua Paulo Martins, no Mercês.

Banner

Mercado Municipal, tradição desde 1958

Atração turística de Curitiba e local de compras de gerações de famílias curitibanas, o Mercado Municipal de Curitiba foi inaugurado em agosto de 1958 e atrai, anualmente, 3,3 milhões de pessoas.

O espaço da Prefeitura ocupa uma área de 16,8 mil metros quadrados e reúne 362 unidades comerciais, entre boxes e bancas, de 196 comerciantes, que vendem cerca de 72 mil itens. Um dos destaques é o setor de orgânicos, pioneiro no país.

Além do Mercado Municipal, no Centro, a população da capital tem a disposição o Mercado Regional Cajuru, com 25 bancas e 16 boxes, e o Varejão Popular do Capão Raso, com 17 comerciantes. Nos dois espaços, agricultores da Grande Curitiba comercializam seus produtos nos fins de semana.

Conheça mais sobre o Mercado Municipal de Curitiba, o Mercado Regional Cajuru e o Varejão Popular do Capão Raso.

 

 

 

 

 

 

 

Hortas promovem agricultura urbana na capital

A Prefeitura dá apoio técnico a 89 espaços com agricultura urbana em Curitiba, entre hortas comunitárias de moradores, de escolas municipais e institucionais (canteiros de cultivo ocupacional e terapêutico de organizações sociais e religiosas).

A equipe de técnicos agrícolas e engenheiros agrônomos da Smab fazem a manutenção dos locais e realizam treinamentos teóricos e práticos para que os participantes realizem o cultivo da forma mais adequada

Atualmente, são 27 horas comunitárias, 42 de escolas e 20 institucionais com apoio da Prefeitura.

Para participar de uma horta comunitária, basta procurar a associação de moradores do bairro ou o coordenador local. É normal ter uma lista de espera, mas o interessado será chamado assim que houver vagas disponíveis. Pede-se que o interessado seja morador da região, pois o cultivo da horta exige cuidado diário.

Clique aqui e veja qual a horta mais próxima da sua casa e saiba mais sobre o programa.   

Vídeo: produção na prática

Agricultura integra Região Metropolitana

Por meio do Programa de Desenvolvimento Produtivo Integrado da Região Metropolitana de Curitiba (Pró-Metrópole), a Prefeitura dá apoio a cerca de 200 famílias de produtores de 11 municípios da Região Metropolitana. Os participantes estão sendo capacitados, em parceria com o Sebrae/PR, para aumentar a oferta e melhorar qualidade dos alimentos.

A Feira das Cooperativas, que ocorre todas as sextas-feiras, no Centro, também faz parte deste esforço da Prefeitura em valorizar a agricultura familiar regional junto ao mercado consumidor curitibano. Além disso, os Armazéns e Sacolões da Família já abriram suas gôndolas para os produtos dos agricultores da Região Metropolitana.

 

 “Com o apoio da Prefeitura, a gente vai poder entender melhor os gostos da população, saber o que podemos melhorar e também oferecer mais opções.”
 

Aline Pasda, presidente da Cooperativa de Processamento de Alimentos da Agricultura Familiar e Solidária de Agudos do Sul (Copasol Sul), que participa da Feira das Cooperativas.

Crédito das fotos: Divulgação/Secretaria Municipal da Comunicação Social.

Voltar para o Topo