Registrar
Lei de Acesso à Informação
Prefeitura Municipal de Curitiba
Secretaria Municipal do

Meio Ambiente

Jardins de Mel

O projeto Jardins de Mel tem como objetivo a divulgação das abelhas nativas sem ferrão, responsáveis pela polinização de cerca de 90% das plantas brasileiras. Já começaram a ser distribuídos em áreas verdes do município de Curitiba, como o o Parque Barigui, Bosque Reinhard Maack, Jardim Botânico, Casa de Acantonamento (do Zoológico de Curitiba) e Museu de História Natural Capão da Imbuia.

As cinco espécies utilizadas são: de guaraipo (Melipona bicolor), manduri (Melípona marginata), mandaçaia (Melipona quadrifasciata), jataí (Tetragonisca angustula) e mirim (Plebeia sp).

As abelhas estarão em caixas racionais de criação, colocadas dentro de um revestimento, visando uma maior proteção e bem-estar dos insetos.

As atividades desenvolvidas pelo projeto ressaltam a sensibilização sobre a importância e os benefícios dos serviços ecossistêmicos de regulação e equilíbrio do planeta prestados pelas abelhas nativas.

Ainda serão ofertados cursos de capacitação para Guardiões das Abelhas sem Ferrão, o que vai contribuir para manter a cultura que vem desde os povos indígenas.

Biodiversidade

Há mais de 20 mil espécies de abelhas espalhadas pelo mundo. A maioria delas tem comportamento solitário, mas dentro deste universo existem as abelhas sociais nativas sem ferrão. Entre elas, são aproximadamente 420 espécies no mundo, 300 no Brasil.

As abelhas nativas sem ferrão vivem em ninhos, organizados com três castas - a rainha, as operárias e os zangões. Seus ninhos podem ser encontrados nos ocos de troncos de árvores, no chão e em muros. Elas alimentam-se de néctar e pólen, enquanto fazem a polinização; e armazenam o alimento em potes de cera, mel e pólen. São responsáveis pela existência da maioria das espécies vegetais, incluindo os alimentos.

Conheça algumas das abelhas nativas

Abelha Jataí
Jataí Nome científico: Tetragonisca angustula Tribo: Trigonini Onde encontrar: As abelhas Jataí são nativas do Brasil e têm abrangente extensão geográfica, do norte da Argentina até o México. Curiosidade: Ao longo dos anos, um dos mecanismos de defesa desenvolvidos foi o de ter abelhas sentinelas para combater possíveis inimigos. Elas costumam fechar a entrada de seu ninho durante a noite e em dias de frio.
Abelha Manduri
Manduri Nome científico: Melipona marginata Tribo: Meliponini Onde encontrar: As abelhas Manduri são encontradas desde a América Central até a Argentina. Curiosidade: Mandirituba, cidade da Região Metropolitana de Curitiba, tem esse nome pela grande ocorrência destas abelhas por lá. Quando ameaçadas, elas enrolam-se nos cabelos e pelos, sem, no entanto, representar perigo para os seres humanos.
Abelha Mirim
Mirim Nome científico: Plebeia sp Tribo: Trigonini Onde encontrar: América Central e América do Sul. Curiosidade: É uma abelha muito pequena, mansa e discreta. Seu própolis é produzido com resinas de característica pegajosa, armazenadas em bolas nos cantos da colmeia; e usadas para defesa quando a abelha se sente ameaçada. Além de imobilizar os inimigos que queiram entrar na colmeia, o própolis serve para vedá-la contra de luz e vento.
Abelha Mandaçaia
Mandaçaia Nome científico: Melipona quadrifasciata Tribo: Meliponini Onde encontrar: Esta espécie está em todos os estados com ocorrência de mata atlântica. Curiosidade: Em tupi guarani, seu nome significa Vigia Bonito. Outras subespécies podem ter diferenças nas formas das listras amarelas.
Abelha Guaraipo
Guaraipo Nome científico: Melipona bicolor Tribo: Meliponini Onde encontrar: Está em toda região Sul e Sudeste do Brasil Curiosidade: A espécie adora locais úmidos próximos aos rios e matas densas. Ela altera todo o conceito sobre as abelhas, já que é comum encontrar até cinco rainhas irmãs trabalhando juntas em uma colmeia. Dentre as abelhas sem ferrão, é uma das mais calmas. Sua cera é muito apreciada por ter textura aveludada.

Jardins Melíferas

Para ajudar as abelhas nativas, é preciso plantar árvores nativas melíferas, frutíferas, hortas sem veneno e flores. Também é necessário manter os rios limpos para que as as abelhas sobrevivam e repovoem a cidade, trazendo ainda mais vida aos bosques.

Diversos conceitos a respeito do desequilíbrio ecológico despertam a preocupação com o meio ambiente e exigem, tanto da sociedade civil quanto acadêmica, estudos, observações e consenso para o melhor convívio geral.

A sociedade humana vive em interdependência com o meio ambiente. No entanto, há estudos que apontam a extinção gradual das abelhas nativas, importantes para a continuidade cíclica de grande parte da flora.

A Constituição Federal em seu Art. 225, define como um direito fundamental, o meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Com base nisso, propõe-se a ideia de utilidade pública dos Jardins Melíferas.

  Método de Propagação
Árvores Astrapeia (Dombeia spp.) Estaca Introduzido
Butia (Butia spp.) Semente Nativo
Jerivá (Syagrus flexuosa) Semente Nativo
Inga (Inga spp.) Semente Nativo
Tucaneiro Semente Nativo
Pau-formiga (Triplaris spp.) Semente Nativo
Olandi (Calophyllum brasiliensis) Semente Nativo
Moringa (Moringa oleifera) Semente e Estaca Introduzido
Arbustos Ocna (Ochna serrulata) Semente Introduzido
Ipoméia (Ipomoea carnea) Estaca Nativo
Dracena (Dracaena fragrans) Estaca Nativo
Cordiline (Cordyline terminalis) Estaca Nativo
Ora-por-nobis (Pereskia spp.) Semente e Estaca Nativo
Ervas de Floração Perene Maria gorda/beldroega (Talinum paniculatum/ T. fruticosum) Semente e Estaca Nativo
Salvia-cidreira (Lippia alba) Estaca Nativo
Alfavaca anizada Semente Nativo
Manjericão Estaca Introduzido
Ervas de Floração Anual Mirra (Tetradenia riparia) Estaca Introduzido
Boldo (Vernonia condensata) Semente e Estaca Nativo
Conheça as Plantas Melíferas usadas nos Jardins de Mel
Calliandra brevipes Calliandra brevipes
Fucksia regia Fucksia regia
Lantana camara Lantana camara
Lantana fucata Lantana fucata
Justicia floribunda Justicia floribunda
Stachytarpheta cayenensis Stachytarpheta cayenensis
Rhododendron simpsii Rhododendron simpsii
Abelia x grandiflora Abelia x grandiflora
Brunfelsia pilosa Brunfelsia pilosa
Euphorbia pulcherrima Euphorbia pulcherrima
Jasminum mesnyi Jasminum mesnyi
Hydrangea macrophylla Hydrangea macrophylla
Abutilon megapotamicum Abutilon megapotamicum
Buddleja davidii Buddleja davidii
Salvia splendens Salvia splendens
Salvia guaranitica Salvia guaranitica
Odontonema tubaeforme Odontonema tubaeforme
Gaylussacia brasiliensis Gaylussacia brasiliensis
Schinus engleri Schinus engleri
Ixora coccínea Ixora coccínea

É preciso cuidar enquanto há tempo. Os Jardins de Mel fazem parte do grande tesouro brasileiro que é a biodiversidade. As abelhas são o fundamentais para a perpetuação das espécies vegetais e os humanos têm muito a aprender com a sua organização e cooperação.

Remover enxame de um local seguro nidificado naturalmente, sem a real necessidade é colocar o enxame em risco e crime ambiental. Remoção é Crime lei nº 9605 de 1998.

Endereço
Av. Cândido de Abreu, 817 - Centro Cívico
CEP: 80.530-908 • Fone: (41) 3350-8484