Álbum de fotografias

Rua Comendador Araújo, em 1905. Ao fundo, a Praça Osório.
Rua Comendador Araújo, em 1906.
Rua Comendador Araújo, em 1906.
Rua Comendador Araújo, em 1906.
Rua Comendador Araújo, em 1908. Em primeiro plano, a Igreja Presbiteriana.
Rua Comendador Araújo, em 1912. Uma carroça transporta barricas nos trilhos do bonde.
Os bondes elétricos percorrem a Rua Comendador Araújo, em 1913.
Rua Comendador Araújo, em 1939.
Rua Comendador Araújo, em 1952.
Rua Comendador Araújo, em 2015.
Fotografia da Rua Comendador Araújo, publicada em revista de 1923. Em primeiro plano, o antigo Palacete de Ascânio Miró, projetado pelo engenheiro Candido Ferreira de Abreu e construído entre 1897 e 1898. A edificação, ainda existente, situa-se na esquina com a Rua Presidente Taunay e abriga atualmente uma agencia bancária.
A fotografia aérea mostra, ao centro, a Rua Comendador Araújo, em 1929, indicada pelo algarismo 2, que está posicionado na esquina com a Rua Brigadeiro Franco.
Alguns exemplares do conjunto urbano da Rua Comendador Araújo, tombado pelo Patrimônio Estadual.

Rua Comendador Araújo

A Rua Comendador Araújo tem origem na construção da Estrada do Mato Grosso, iniciada em 15 de abril de 1871. Este caminho começa na Rua das Flores, atual Luiz Xavier, e em seu percurso define a Praça Osório e a rua Nova que leva para o Mato Grosso, a rua do Oceano Pacífico ou a rua Comendador Araújo. Estabelecendo-se como via de ligação entre a capital e o interior do Paraná, a Comendador Araújo desenvolve-se rapidamente. Está situada na continuação da Avenida do Batel, onde se encontravam vários moinhos de erva-mate, produto que, na passagem do século XIX para o XX, alavancou a economia paranaense. Esta geografia beneficia a implantação de moderna infraestrutura e a Comendador Araújo, já consolidada no núcleo urbano em 1894, recebe pavimentação, linha de bondes, iluminação pública e abriga casas comerciais importantes e residências de grande requinte. Na década de 1920, a Comendador Araújo é considerada um elegante logradouro e sempre retratada em matérias sobre Curitiba.

A sofisticação ainda caracteriza a Comendador Araújo, que conserva exemplares significativos do patrimônio edificado de Curitiba. A importância desta rua é reconhecida e seu conjunto urbano tombado pelo Patrimônio Estadual, em 2004. Em 2014, é revitalizada e ganha nova iluminação pública e mobiliário urbano, formando com a Rua XV de Novembro e a Praça Ozório um conjunto urbanisticamente valorizado no centro da cidade, que reflete sua importância na história da cidade.

Para saber mais...

Boletim Casa Romário Martins. Centro Histórico: espaços do passado e do presente. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 30, n. 130, mar. 2006.

Boletim Casa Romário Martins. O acervo Arthur Wischral: documentos de um olhar. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 31, n. 134, abr. 2007.

Boletim Casa Romário Martins. Synval Stochero: Curitiba na mira do fotógrafo. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 34, n. 144, set. 2010.

Boletim Informativo da Casa Romário Martins. Estrada do Mato Grosso. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, ano VIII, n. 50, mar. 1981.

CURITIBA. Linha Pinhão – Pegadas da Memória. Roteiro Cultural e Histórico para conhecer Curitiba a pé. Curitiba, 1996.

MOREIRA, Júlio Estrella. Caminhos das comarcas de Curitiba e Paranaguá: até a emancipação da Província do Paraná. Curitiba, PR: Imprensa Oficial do Estado, 1975. 3 v.