Álbum de fotografias

Praça Osório em 1905, após os melhoramentos iniciados no ano de 1903. As árvores, recém-plantadas, estão dispostas em várias linhas. Há a delimitação da via central, dos passeios e dos jardins. Em primeiro plano, encontra-se um poste de iluminação pública. Também é possível visualizar, no centro da imagem, um bonde puxado à mula. A moderna infraestrutura está presente, desde o início do século, na Praça Osório.
Praça Osório em 1908, após os melhoramentos iniciados no ano de 1903. Em destaque a via central, por onde circula o bonde puxado à mula. As árvores estão mais crescidas em comparação com a foto anterior, amenizando a aridez do local.
Praça Osório em 1910.
Praça Osório em 1916. Em destaque o paisagismo à francesa, recém-implantado na Praça Osório. O local exibe sua infraestrutura moderna: iluminação pública sustentada por sofisticados postes de ferro, calçamento e via pavimentada. Ao fundo, a residência de Affonso Camargo.
Praça Osório em 1920. A modernidade do bonde elétrico convive com a tradicional carroça.
Praça Osório em 1920. Ao fundo, a sequência de elegantes residências proporciona sofisticação à praça.
Praça Osório na década de 1920. Destaque para o novo desenho dos jardins, na face voltada para a Rua Voluntários da Pátria.
Praça Osório na década de 1920. Destaque para o coreto e o relógio, melhoramentos realizados entre 1913 e 1916.
Praça Osório na década de 1930. Vista aérea que permite a visualização do paisagismo. À direita, encontra-se a rua Voluntários da Pátria e, à esquerda, na parte superior, a Rua Vicente Machado.
Praça Osório em 2015. A frondosa vegetação é característica deste espaço, que contrasta com a massa edificada do centro de Curitiba.

Praça Osório

O local onde se situa atualmente a Praça Osório era, na metade do século XIX, um grande pântano formado pelas águas do Rio Ivo, como pode ser visto no Mapa de Curitiba de 1857. As primeiras intervenções nesta área alagada ocorrem com a construção da Estrada do Mato Grosso, 1870, uma vez que ali era a parte inicial da futura via (hoje ela começaria na Avenida Luiz Xavier, passaria pela Praça Osório e seguiria pela Rua Comendador Araújo).

A Câmara Municipal realiza a demolição de algumas casas que bloqueavam o prolongamento da Rua Das Flores, aterra o charco existente e, em 9 de fevereiro de 1874, nomeia uma comissão para a demarcação do Largo Oceano Pacífico. Em 1879, o local recebe a denominação de Praça General Osório. O Mapa de Curitiba de 1894 indica que o logradouro – ali denominado de Largo General Osório – faz parte do trajeto da linha de bonde.

Os melhoramentos da Praça Osório iniciam-se em 1903, com terraplanagem, colocação de calçadas, pavimentação com saibro e pedregulho e arborização. Em 29 de outubro de 1905, o espaço é inaugurado com a apresentação da banda de musica do Regimento de Segurança do Estado.

Fazendo parte do perímetro mais central de Curitiba, a Praça Osório recebe, ao longo da primeira década do século XX, outras melhorias, como implantação da rede de saneamento (água e esgoto), de telefonia e de iluminação pública. As intervenções não pararam e, entre 1913 e 1916, o logradouro ganha um novo projeto paisagístico, à francesa, com um repuxo circular centralizado, ornamentado por estátuas de sereias e de um cisne, em bronze; a plantação de aléias, a instalação de um coreto e de um relógio elétrico. A Osório passa a ser um endereço sofisticado, com imponentes residências, entre as quais a do então Presidente do Paraná, Affonso Camargo, que ainda pode ser admirada por todos nós.

Em 1927, juntamente com a Rua XV de Novembro, tem suas vias asfaltadas e as calçadas ganham um novo revestimento, o petit pavet, com um desenho exclusivo, de inspiração na arte dos índios Guaranis.

Durante todo o século XX, inúmeras intervenções e melhoramentos são realizados na Praça Osório, considerada por muitos uma das mais bonitas de Curitiba. Sua paisagem foi tombada pelo Patrimônio Estadual em 1974, juntamente com a Rua XV de Novembro e a Praça Santos Andrade. No local encontram-se três edifícios representativos de nossa arquitetura modernista: o Santa Julia (1954), o Asa (1957) e o Provedor André de Barros (1969).

Edifício Asa, Praça Osório. Edifício Asa, Praça Osório.

Edifício Provedor André de Barros, Praça Osório. Edifício Provedor André de Barros, Praça Osório.

Edifício Santa Júlia, Praça Osório. Edifício Santa Júlia, Praça Osório.

Para saber mais...

Boletim Casa Romário Martins. Centro Histórico: espaços do passado e do presente. Curitiba: Fundação Cultual de Curitiba, v. 30, n. 130, mar. 2006.

Boletim Casa Romário Martins. O acervo Arthur Wischral: documentos de um olhar. Curitiba: Fundação Cultual de Curitiba, v. 31, n. 134, abr. 2007.

Boletim Casa Romário Martins. Praças de Curitiba: espaços verdes na paisagem urbana. Curitiba: Fundação Cultual de Curitiba, v. 30, n. 131, set. 2006.

Instituto de Beleza Record (1952): "Um lindo presente à mulher paranaense". Disponível em: Instituto de Beleza Record - Youtube.

Prefeitura de Curitiba. Praça Osório. Disponível em: Prefeitura Municipal de Curitiba.

Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Praças. Centro. Disponível em: Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

TREVISAN, Edilberto. Curitiba na Província. Ruas, Moradores antigos, Explosão de Cidadania. Curitiba, Gráfica Vicentina, 2000.