Álbum de fotografias

Fotografia da época da primeira inauguração do Passeio Público, em 2 de maio de 1886. Em destaque, o Boulevar 2 de Julho (atual Avenida João Gualberto) e a entrada principal do parque.
A foto mostra o Passeio Público após a segunda inauguração, em 8 de agosto de 1886. O destaque é dado à entrada principal, marcada por dois pilares, localizada no Boulevar 2 de Julho (atual Avenida João Gualberto). Logo em seguida, a ponte sobre o canal do Rio Belém. À esquerda, a casa do zelador.
A foto mostra o Passeio Público após a segunda inauguração, em 8 de agosto de 1886. Á direita encontra-se a 'máquina de cavalinhos' (ou carrossel), que se tornou a grande atração do parque a partir de então.
Postal que mostra uma canoa no lago principal do Passeio Público, em 1904. Ao fundo, o engenho Bittencourt.
Postal que mostra uma das vias de passeio do Passeio Público, no início do século XX.
Postal, que circulou em 1906, mostrando um dos canais do Rio Belém e, em primeiro plano, uma das ilhas artificiais.
Postal que destaca um dos canais artificiais do Rio Belém e um canoeiro, início do século XX.
Postal que mostra uma das vias de passeio do Passeio Público, em 1908. Em primeiro plano, um dos bancos colocados por Francisco Fasce Fontana quando era diretor do parque.
Postal que destaca um dos canais artificiais do Rio Belém e um canoeiro, início do século XX.
Vista aérea do Passeio Público que destaca a espessa área verde composta pelas 1907 árvores que o parque possui, na década de 2010.

Passeio Público

O Passeio Público é o primeiro parque público de Curitiba e permanece como único até 1972, momento em que são inaugurados os parques Barigui, São Lourenço, Boa Vista e Barreirinha. Trata-se de uma obra importante para a estrutura urbana de Curitiba que reuniu três objetivos: saneamento, embelezamento e lazer.

O Mapa de Curitiba de 1857 mostra à direita uma grande área alagada. Ali, segundo a matéria "Higiene Pública" do Jornal Dezenove de Dezembro, de 27 de dezembro de 1885: "o rio Belém é muito estreito e sinuoso, de modo que permanentemente alaga os terrenos que estão situados em suas margens numa grande extensão, do que resulta ficarem convertidos em brejos de águas estagnadas, que com os resíduos vegetais que ali se acumulam e, a favor dos fortes calores do verão, converteram-se em focos de febres malignas, paludosas e intermitentes, pondo em verdadeiro risco as boas condições higiênicas que deve ter a cidade".

Além da grave questão sanitária, os fétidos pântanos traziam outros problemas para Curitiba: a região era a porta de entrada da cidade, situada na parte inicial da Estrada da Graciosa, ligação entre a capital e o litoral inaugurada em 1873; e o banhado restringia a expansão territorial da cidade impulsionada pelo crescimento de sua população.

Embora, a gravidade do problema fosse reconhecida há muito tempo, as restritas condições financeiras da província não permitiram a sua solução até 1886. Neste ano, o então Presidente da Província do Paraná, Alfredo D'Escragnole Taunay transforma o perigoso pântano no Passeio Público. Nesta empreitada, destacam-se a participação do engenheiro Giovanni Lazzarini e dos ervateiros Ildefonso Pereira Correia (o Barão do Serro Azul) e Francisco Fasce Fontana, respectivamente autor do projeto, administrador da obra e diretor do parque.

O Relatório do Presidente da Província do Paraná, de 29 de dezembro de 1888, descreve minuciosamente a construção do Passeio Público que, além da importância para a urbanização de Curitiba, constitui-se em uma obra de engenharia original e relevante. Um pequeno trecho detalha a solução: "(...) procedi de acordo com as teorias mais modernas e, em vez de proceder a simples aterros, abri pelo contrário grande número de rios e canais em todos os sentidos para conseguir uma dessecação e saneamento completo e verdadeiro."

No Mapa de Curitiba de 1894 é possível visualizar o desenho original do Passeio Público, concebido por Lazzarini o mapa 1894 e detalhe.

O Passeio Público, ainda inacabado, foi inaugurado em 2 de maio de 1886 com a presença de autoridades e uma "animadíssima" festa. Em 8 de agosto do mesmo ano foram concluídos os trabalhos no parque e realizou-se nova inauguração.

Para saber mais...

Boletim Informativo da Casa Romário Martins. Passeio Público: primeiro parque público de Curitiba. Curitiba: Fundação Cultual de Curitiba, v. 28, n. 126, ago. 2001.

Coordenação do Patrimônio Cultural/ Secretaria de Estado da Cultura. Bens tombados. Passeio Público. Disponível em: Patrimônio Cultural.

Coordenação do Patrimônio Cultural/ Secretaria de Estado da Cultura. Bens tombados. Portão do Passeio Público. Disponível em: Patrimônio Cultural.

Instituto Municipal Curitiba Turismo. Passeio Público. Disponível em: Instituto Municipal Curitiba Turismo.

Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Parques e Bosques. Passeio Público. Disponível em: Secretaria Municipal do Meio Ambiente.