Álbum de fotografias

Mapa 1: Proposta do Plano Agache para o Centro Cívico, em 1943.
Mapa 2: Projeto do Centro Cívico, em 1953.
Mapa 3: Centro Cívico, em 2000.
Maquete da proposta inicial do Centro Cívico, apresentada em 1953.
Centro Cívico de Curitiba, década de 1960.
Centro Cívico de Curitiba, década de 1960.
Centro Cívico de Curitiba, na década de 2000.

Centro Cívico

A proposta de criação do Centro Cívico de Curitiba foi elaborada, entre 1941 e 1943, por Alfred Agache, urbanista francês, que desenvolveu um estudo urbanístico para Curitiba a convite do governo estadual. Consistia em um conjunto de edifícios administrativos estaduais (Palácio do Governo e respectivas secretarias, Assembleia Legislativa e tribunais de Justiça e de Contas) situados em torno de uma esplanada e ligados à cidade por um eixo monumental, a Avenida Candido de Abreu, que chegava até a Praça Tiradentes - marco inicial da cidade e onde seria erguida a nova sede da prefeitura. A proposta, no entanto, não foi levada a cabo.

Em 1950, a ideia principal de Agache foi retomada: no mesmo local escolhido, um novo projeto urbanístico e arquitetônico cria o Centro Cívico, símbolo da prosperidade econômica que o Paraná vivia e marco a ser erguido em homenagem ao centenário da sua emancipação da província de São Paulo, a ser comemorado em 1953. O projeto, referência da arquitetura modernista da cidade, foi elaborado pelos arquitetos David Azambuja, Olavo Redig dos Santos, Sérgio Roberto Santos Rodrigues e Flávio Régis do Nascimento.

As obras tiveram início em 1951 e, mesmo aceleradas, não foram concluídas a tempo para os festejos do centenário: o prazo exíguo, os problemas técnicos e construtivos resultantes de erros de sondagens, de projetos e de cálculos estruturais e, sobretudo, a grande geada do inverno de 1953 foram alguns dos problemas que inviabilizaram sua conclusão. Paulatinamente, os diversos edifícios projetados para o Centro Cívico foram concluídos, apresentando alterações em relação à proposta inicial. Outras edificações, inclusive o Palácio 29 de Março, sede da Prefeitura Municipal, foram acrescentadas ao conjunto, que, desde 2012, encontra-se tombado pelo Patrimônio Estadual.