Conhecendo Curitiba Conhecendo Curitiba Conhecendo Curitiba Conhecendo Curitiba

vamos conhecer + sobre nossa capital!

Patrimônio de Curitiba

2015 é um ano importante para o patrimônio de Curitiba: tramita na Câmara Municipal o projeto de lei de Proteção do Patrimônio Cultural que, entre outros pontos, cria instrumentos de preservação de edifícios e paisagens da cidade. Para contribuir com este processo, todo mês a Prefeitura vai mostrar alguns espaços e edifícios que fazem parte da história e da memória dos curitibanos.

Vamos começar com os exemplares mais antigos, aqueles que todos nós conhecemos.

Entre 1854 (data em que Curitiba foi elevada à condição de capital da Província do Paraná) e a década de 1920, os habitantes de nossa cidade passam de 6791 para 78986! Esse aumento significativo da população é acompanhado por expressiva expansão territorial. Nestes 70 anos, a região mais central da cidade cresce: ruas são abertas e pavimentadas, edifícios são construídos, a infraestrutura é implantada. Curitiba passa a contar com redes de saneamento, telefonia, energia e transporte público. O processo acelerado de urbanização pode ser conferido em três mapas – de 1857, de 1894 e de 1927 – que mostram também a localização de edifícios representativos, como palácios de governo, escolas, igrejas, clubes, teatros etc. Alguns deles ainda fazem parte de nossa paisagem urbana, constituem nosso patrimônio edificado e podem ser encontrados nas próximas páginas com informações históricas, fatos interessantes e muitas fotos. Além das construções, os espaços urbanos como ruas, praças e parques também recebem nossa atenção.

Álbum de Recortes

galeria
{ patrimônio de curitiba

Parques e Praças

Passeio Público

Passeio Público

Praça Osório

Praça Osório

Praça Santos Andrade

Praça Santos Andrade

Praça Tiradentes

Praça Tiradentes

Praça Zacarias

Praça Zacarias

Palácios

Centro Cívico

Centro Cívico

Palácio Iguaçu

Palácio Iguaçu

Palácio Dezenove de Dezembro

Palácio Dezenove de Dezembro

Palácio da Justiça

Palácio da Justiça

Palácio das Araucárias

Palácio das Araucárias

Palácio 29 de Março

Palácio 29 de Março

Palácio Rio Branco

Palácio Rio Branco

Palácio da Liberdade

Palácio da Liberdade

Palácio São Francisco

Palácio São Francisco

Paço da Liberdade

Paço da Liberdade

Ruas

Rua Comendador Araújo

Rua Comendador Araújo

Rua Marechal Deodoro

Rua Marechal Deodoro

Rua Riachuelo

Rua Riachuelo

Rua São Francisco

Rua São Francisco

Rua XV de Novembro

Rua XV de Novembro

Espaços Culturais

Solar do Barão

Complexo cultural Solar do Barão

Palacete dos Leões

Espaço Cultural BRDE - Palacete dos Leões

Casa Romário Martins

Casa Romário Martins

Teatro do Paiol

Teatro do Paiol

Portão Cultural (antigo Centro Cultural Portão)

Portão Cultural (antigo Centro Cultural Portão)

Capela Santa Maria

Capela Santa Maria

Teatro Guaíra

Teatro Guaíra

Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba

Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba

Museu Paranaense

Museu Paranaense

Centro de Criatividade de Curitiba

Centro de Criatividade de Curitiba

Escolas

Reitoria UFPR

Conjunto Reitoria UFPR

Escola Estadual Dom Pedro II

Escola Estadual Dom Pedro II

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva

Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto

Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto

Colégio Estadual Tiradentes

Colégio Estadual Tiradentes

Colégio Estadual do Paraná

Colégio Estadual do Paraná

Colégio Estadual Lysimaco Ferreira da Costa

Colégio Estadual Lysimaco Ferreira da Costa

Colégio Estadual Prieto Martinez

Colégio Estadual Prieto Martinez

Colégio Estadual Barão do Rio Branco

Colégio Estadual Barão do Rio Branco

Colégio Estadual Elias Abraão

Colégio Estadual Elias Abraão

mapas
{ mapas de curitiba
Curitiba em 1857

Curitiba em 1857

Curitiba é uma cidade muito pequena! As poucas e irregulares ruas desenvolvem-se em torno do Largo da Matriz (hoje, Praça Tiradentes). Os rios Ivo e Belém e suas margens alagadiças cercam o diminuto núcleo urbano e impõem a nefasta presença dos pântanos e de seus miasmas. Durante toda a segunda metade do século XIX e boa parte do XX, serão realizadas obras para eliminar este grande problema, que além de comprometer a questão sanitária e de higiene pública, limita o crescimento urbano. Nesta data, Curitiba contava com 6.791 habitantes. Segundo Romário Martins, 'somente possuía duas escolas de primeiras letras para meninos e uma para meninas. Tinha 27 quarteirões, (...) 308 casas e 52 em construção'.

Curitiba em 1894

Curitiba em 1894

No final do século XIX, Curitiba apresenta um acentuado crescimento. A comparação do Mapa de 1894 com o de 1857 revela a expansão da malha urbana, que ultrapassa os limites impostos pelos rios Ivo e Belém. Em 1894, a cidade já possui escolas, clubes, teatros, quarteis, residências imponentes e edifícios públicos de relevância, como os palácios do Governo (hoje, da Liberdade) e do Congresso (Rio Branco). As estradas da Graciosa (rodagem) e Curitiba-Paranaguá (de ferro) ligam a cidade ao litoral, exportando nossas riquezas (em especial, a erva-mate) e trazendo pessoas, tecnologia e progresso. Em 1890, somos 24.553 curitibanos e na década seguinte, 50.124! Quatro anos antes, a prefeitura contabiliza 1.273 prédios na cidade.

Curitiba em 1927

Curitiba em 1927

Em 1920, Curitiba possui 78.986 habitantes! Sua malha urbana é formada por 240 ruas, 13 alamedas, 23 avenidas, 25 praças, 10 largos e 10 travessas. Dos 5.700 prédios existentes na cidade, 2.978 possuem ligação de água e esgoto (53% do total) e 240, somente de água. As quatro linhas de bondes elétricos estendem-se por 25 quilômetros e transportaram durante todo o ano 2.625.230 passageiros. Dois anos depois, em 1922, a prefeitura registra 2.615 veículos circulando na cidade, dos quais 183 são automóveis particulares e do governo, 867 carroças de quatro rodas, 131 bicicletas, 15 motocicletas, 130 aranhas e 43 carros de praça.

que dia é hoje?
{ saiba oque aconteceu nesta data

Agosto

02 de agosto
03 de agosto
08 de agosto
10 de agosto
14 de agosto
15 de agosto
20 de agosto
24 de agosto
29 de agosto
30 de agosto
31 de agosto

Super Mercado Municipal

02 de agosto de 1958: Inauguração do Super Mercado Municipal, que passa a funcionar como "centro abastecedor" de Curitiba, concentrando o comércio de atacado e varejo de alimentos. No dia seguinte, um domingo, suas instalações foram abertas a visitação pública e, finalmente, em 4 de agosto, o Super Mercado Municipal inicia suas atividades.

Super Mercado Municipal

Matéria sobre a inauguração do Super Mercado Municipal.

Fonte: Jornal Diário do Paraná. Ano IV, n.° 1011. Curitiba, 3 de agosto de 1958. p.8.

Super Mercado Municipal

Antiga fachada do Super Mercado Municipal voltada para a Avenida Sete de setembro.

Disponível em: Trip Advisor.

Energia Elétrica

03 de agosto de 1888: Ocorre uma demonstração da iluminação pública gerada pela eletricidade. A "experiência da luz electrica" foi realizada pelo Dr. Scheving, diretor técnico das oficinas da Estrada de Ferro do Paraná, e contou com a presença de autoridades e da população. Somente quatro anos depois, em 12 de outubro de 1892, a energia elétrica seria implantada na cidade.

Energia Elétrica

Notícia sobre a experiência com a "luz elétrica" realizada em Curitiba, em 3 de agosto de 1888.

Fonte: Jornal A República. Ano III, n.° 29. Curitiba, 6 de agosto de 1888.

Passeio Público

08 de agosto de 1886: Inauguração das obras parciais do Passeio Público, primeiro parque da cidade, com 48.000 m² de área. A obra teve uma fundamental importância no processo de urbanização de Curitiba, uma vez que saneou uma região alagadiça, formada pelo curso tortuoso do Rio Belém. A recuperação do local possibilitou a expansão da malha urbana de Curitiba em direção ao norte.

A primeira inauguração do Passeio Público foi apressada e não esperou a conclusão das obras. Ocorreu em 2 de maio do mesmo ano, para que seu idealizador, o então Presidente da Província Alfredo d'Escragnole Taunay pudesse participar da cerimônia. Joaquim d'Almeida Sobrinho, sucessor de Taunay, concluiu duas pontes, a entrada principal e um largo dentro do parque, onde foi instalada "uma engenhosa máquina rodante de cavalinhos para recreio da infância".

O Passeio Público foi tombado pelo Patrimônio Estadual em 1999 e é uma Unidade de Interesse de Preservação de Curitiba.

Passeio Público

Passeio Público após a segunda inauguração, em 8 de agosto de 1886. O destaque é dado à entrada principal, marcada por dois pilares, localizada no Boulevar 2 de Julho (atual Avenida João Gualberto). Logo em seguida, a ponte sobre o canal do Rio Belém. À esquerda, a casa do zelador.

Coleção Julia Wanderley. Acervo: Instituto Histórico e Geográfico do Paraná.

Passeio Público

Passeio Público após a segunda inauguração, em 8 de agosto de 1886. Á direita encontra-se a "máquina de cavalinhos" (ou carrossel), que se tornou a grande atração do parque a partir de então.

Coleção Julia Wanderley. Acervo: Instituto Histórico e Geográfico do Paraná.

Cine Groff

10 de agosto de 1881: Inauguração do Cine Groff, instalado na Galeria Shaffer. O nome é uma homenagem a João Baptista Groff, pioneiro da cinematografia paranaense. Na ocasião foram exibidos, com entrada franca, os filmes: "O Grande Palhaço", de William Cobbet, às 14h; "Aleluia Gretchen" e "República Guarani", de Sylvio Bach, respectivamente às 18 e às 22h; e "Maldita Coincidência", às 22h.

Com 140 lugares, o Cine Groff funcionou até 2003.

Cine Luz

14 de agosto de 1985: Inauguração do Cine Luz, na Rua XV de Novembro, 822. Na ocasião é exibido o filme "A Marvada Carne" de André Klotz. O nome, escolhido pelo poeta Paulo Vitola, é uma homenagem ao antigo cinema que marcou a vida de muitos curitibanos e funcionou entre 1939 e 1960. A programação visual do novo Cine Luz foi assinada pelo arquiteto e designer Manoel Coelho.

Construído no subsolo do edifício, o Cine Luz foi interditado pelo Corpo de Bombeiros e o Ministério Público, por inadequação de seu espaço físico. Suas antigas instalações permanecem desativadas.

Cine Luz

Antigas instalações do Cine Luz, entre 1984 e 2009, na Rua XV de Novembro, 822.

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba.

Cine Luz

Antigas instalações do Cine Luz, em 2009.

Fonte: Jornal de Londrina. Disponível em: Jornal de Londrina.

Memorial de Curitiba

15 de agosto de 1996: Inauguração do Memorial de Curitiba, considerado a síntese das comemorações do aniversário de 300 anos de Curitiba, em 1996. Ocupando um terreno irregular, no coração do Setor Histórico, o edifício é composto por uma praça coberta, um teatro e quatro pavimentos destinados a exposições e atividades culturais. A estrutura do edifício remete ao pinheiro, símbolo do Paraná, e está baseada em um eixo vertical, "tronco" de concreto, que se espraia em "galhos" metálicos (vigas). O projeto arquitetônico foi executado pelos arquitetos Fernando Popp e Valéria Bechara.

Memorial de Curitiba

Cerimônia de inauguração do Memorial de Curitiba, em 15 de agosto de 1996.

Fonte: Boletim Informativo da Casa Romário Martins. Fundação Cultural de Curitiba / texto Maí Nascimento Mendonça. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 23, n. 114, dezembro, 1996.

Memorial de Curitiba

Memorial de Curitiba, em 2015.

Acervo: Fundação Cultural de Curitiba.

Clube de Xadrez Erbo Stenzel

20 de agosto de 2010: Reinauguração do Clube de Xadrez Erbo Stenzel, que passa a ocupar uma sala na Galeria Júlio Moreira. O clube, em atividade desde 1984, homenageia o grande artista plástico e escultor paranaense, que era também um excelente enxadrista e foi campeão absoluto de Xadrez do Paraná em 1959.

No espaço, são ministradas aulas gratuitas de xadrez para todas as idades, nos níveis básico e intermediário, além da realização de torneios semanais. Em 2014, ocorreram 124 competições, sendo as mais tradicionais a Copa Sunye (sempre nas quintas e sextas, às 19:00 horas) e a Copa Erbo Stenzel (todos os domingos, às 11:00h).

Clube de Xadrez Erbo Stenzel

Clube de Xadrez Erbo Stenzel, em 2015.

Acervo: Clube de Xadrez Erbo Stenzel.

Clube de Xadrez Erbo Stenzel

Jogos da Copa Erbo Stenzel que acontecem todo o domingo na Galeria Julio Moreira.

Acervo: Clube de Xadrez Erbo Stenzel.

Reservatório do Alto São Francisco

24 de agosto de 1908: Inauguração do Reservatório do Alto do São Francisco, o primeiro de Curitiba, que integra o sistema de abastecimento de água potável da cidade. O conjunto, com área de 7313,40 m², é formado pelo reservatório, com capacidade de armazenamento de 6.881m³ de água, por uma casa de manobras e por um chafariz. Foi tombado pelo Patrimônio Estadual em 1990 e é uma Unidade de Interesse de Preservação de Curitiba.

Reservatório do Alto São Francisco

Matéria sobre a inauguração do Reservatório do Alto São Francisco publicada em 24 de agosto de 1908.

Fonte: Jornal A República. Ano, n.. Curitiba, 24 de agosto de 1908. p.2.

Reservatório do Alto São Francisco

Vista aérea do conjunto do Reservatório do Alto São Francisco, em 2015.

Fonte: Prefeitura Municipal de Curitiba.

Lei Imperial n.° 704

29 de agosto de 1853: Assinada a Lei Imperial n.° 704 que eleva a Comarca de Curitiba, então pertencente à São Paulo, à categoria de Província. A instalação da Província do Paraná ocorre em 19 de dezembro de do mesmo ano, momento em que Zacarias de Góes e Vasconcellos assume a presidência.

Lei Imperial n.° 704

Lei Provincial n.° 704, que cria a Província do Paraná.

Acervo: Museu Paranaense.

Lei Imperial n.° 704

Zacarias de Góes e Vasconcellos, primeiro Presidente da Província do Paraná, sem data.

Acervo: Museu Paranaense.

Galeria Júlio Moreira

30 de agosto de 1973: Inauguração da Galeria Júlio Moreira, que liga a Rua José Bonifácio ao Largo Coronel Éneas, mais conhecido como Largo da Ordem. É a única galeria subterrânea da cidade e abriga o Teatro Universitário de Curitiba (TUC), o Clube de Xadrez Erbo Stenzel e dois painéis para a exposição de cartazes. Em 24 de agosto de 2013, dia em que o poeta Paulo Leminski faria 69 anos, uma das paredes da Galeria recebe um de seus poemas e uma arte de seu rosto.

Galeria Júlio Moreira

Entrada da Galeria Júlio Moreira pela Rua José Bonifácio, em 2015.

Fotografia: Elizabeth Amorim de Castro.

Galeria Júlio Moreira

Galeria Júlio Moreira, em 2015.

Fotografia: Elizabeth Amorim de Castro.

Universidade Federal do Paraná

31 de agosto de 1913: É assentada a pedra fundamental do edifício-sede da Universidade do Paraná, na Praça Santos Andrade. A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades e de centenas de pessoas. Às 10 horas da manhã, o Presidente do Paraná, Carlos Cavalcanti, assinou a ata de fundação, ato que foi seguido por políticos, professores e alunos da instituição. O documento foi colocado em uma urna “juntamente com exemplares dos jornais do dia, do regulamento e programa da universidade, lista dos lentes (professores) e alunos e exemplares de todas as moedas metálicas circundantes no país".

O projeto arquitetônico do “majestoso edifício de cinco andares (três principais mais o porão habitável e o sótão), tudo em três módulos, um central, provido de bela cúpula, e duas alas laterais, a serem construídas posteriormente” é de autoria do engenheiro Guilhermino Baeta de Faria. O edifício histórico da Universidade Federal do Paraná é um dos símbolos de Curitiba e uma Unidade de Interesse de Preservação.

Universidade Federal do Paraná

Carlos Cavalcanti indo em direção aos alicerces para depositar o cofre com os documentos e moedas.

Fonte: WACHOWICZ, Christovam. Universidade do Mate. História da UFPR. 2ª ed. Curitiba: Editora da UFPR, 2006.

Universidade Federal do Paraná

A construção da sede própria da Universidade do Paraná. Ao fundo, a Praça Santos Andrade.

Fonte: Universidade do Paraná. São Paulo: Service des Pays, sem data.